SECOBB: A pessoa virtual e os crimes no mundo virtual

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
SecobbHelen2

O Seminário de Comunicação para os Bispos do Brasil (SECOBB) encerrou suas atividades, na tarde desta quarta-feira, 13, com duas conferências sobre Pessoa Digital e Crimes na internet. O evento começou na terça-feira, 12, no Centro de Formação Sumaré, no Rio, e prossegue até sábado, 16. Participam do Seminário 62 bispos vindos de todo o país.

SecobbHelen2Segundo a delegada da Polícia Civil da Delegacia de Repressão aos crimes de informática do Rio de Janeiro, Helen Sardenberg, é cada vez maior o número de crimes no mundo virtual. “O numero de ocorrências no país aumenta na mesma medida do crescimento dos usuários da rede mundial de computadores”, explica a delegada.

De acordo com Sardenberg, furto, pedofilia, crimes contra a honra, ameaça e extorsão são crimes muito comuns na internet. “O que incide de maneira forte são crimes contra a honra, especialmente nos sites de relacionamentos”, esclarece a delega. “A era da tecnologia é a era da insegurança”, indagou.

A delegada apresentou uma pesquisa da ONG SaferNet, feita junto à juventude, que revela um dado impressionante. Segundo a pesquisa, 80% dos jovens têm site de relacionamento.

Pessoa Digital
Ao falar sobre “Pessoa digital, transformações antropológicas”, o diretor do Secretariado Nacional das Comunicações do Patriarcado de Lisboa, padre Antônio Rego, destacou o tom humano que o Concílio Vaticano quis dar à comunicação.

SecobbARego“O Concílio Vaticano II quis imprimir à comunicação um tom humano, o único que se enquadra na nossa dignidade e vocação”, disse. Segundo o diretor, ao usar pela primeira vez o termo “Meios de Comunicação Social”, o Concílio coloca o homem no centro, porque é ele que se comunica. “[O Concílio] ultrapassou com muita elegância e humanidade a definição tecnicista [da comunicação]”, sublinhou.

O diretor compara o mundo digital com uma nova ágora, “praça estreita onde cabe a humanidade inteira”. Para ele, “o digital é um instrumento primário de liberdade”. Adverte, porém, para a exclusão digital. “Não esquecemos que isto [o mundo digital] não é igual para todos”.

“Existem os pobres digitais, os analfabetos digitais, os exploradores e explorados digitais. Em todos os países e continentes há muitos para quem tudo isto não passa dum novo gadget, que nasce sempre nos mesmos ninhos, serve de interesses de quem sustenta o sistema, anestesia questões essenciais da existência, desvia a reflexão sobre o bem e o mal, a pobreza e a riqueza, a justiça social, a expressão da fé na sua genuinidade, o relativismo como filosofia, a verdade fragmentado em módulos pragmáticos, a vida retalhada em urgências do imediato, a divindade e o absoluto redesenhados à nossa medida”, acrescenta padre Rego.

Programação desta quinta-feira
As atividades do SECOBB nesta quinta-feira, 14, começam com a missa, às 7h, presidida pelo presidente da CNBB, cardeal Raymundo Damasceno Assis.  No auditório do Centro de Formação Sumaré, os bispos ouvem, pela manhã, as conferências “Espiritualidade e elementos para uma teologia da comunicação em rede” com o padre Antonio spadaro, editor da Revista La Civittà Cattolica, e “Aparecida: Missão Continental em chave de comunicação” com o monsenhor Guillermo Ortiz.

À tarde, às 14h30, os bispos ouvem a conferência “Articulação de processos e trabalhos em rede”, com a coordenadora geral da Rede de Informática na América Latina (RIIAL), Leticia Saberon.  Às 15h45 haverá uma mesa redonda sobre os meios de comunicação católicos no Brasil com a presença das TVs Aparecida, Canção Nova, Horizonte, Nazaré, Rede Vida, Século 21 e Terceiro Milênio.

Os trabalhos de hoje terminam com a conferência, às 19h30, “As novas linguagens midiática como ferramenta para a evangelização, com o jornalista Ricardo Chaves Quaresma.

Tags:

leia também