Querida Amazônia – O registro gramatical

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Pedro Brito Guimarães
Arcebispo de Palmas 

 

 Tão logo tocou, no meu celular, aquele som característico da chegada de mensagem, acordei, baixei e comecei a ler a Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Querida Amazônia”, em pouco tempo, o tempo que tinha disponível, naquela manhã, de quarta-feira, doze de fevereiro, em pleno retiro do clero da Arquidiocese de Palmas. Ao lê-la, mesmo que apressadamente, com dois olhos, cheguei à seguinte conclusão: “sou parte desta Querida Amazônia!  “Querida” é a palavra síntese desta Exortação ApostólicaAliás, o seu registro gramatical me fez perguntar em que classe gramatical está a palavra “querida”? É substantivo? É adjetivo? Ou está escrita em uma forma verbal? 

Primeiramente, me passou, pelo coração e também pela memória, como um filme, a experiência vivida, seja durante a preparação, seja durante a realização do Sínodo para a AmazôniaEntre a sua convocação (04/10/2017) e a sua realização (05-26/10/2019), duraram dois anos. Eu estive presente em todos os eventos oficiais do referido Sínodo.  

Diferentemente do que “alguns” alardeiam, Sínodo não é um jogo, nem uma disputa eleitoral e nem tão pouco uma guerra, em que existem ganhadores e perdedores. Sínodo significa “caminhar juntosO Sínodo é um caminho, pelo qual se começa e se termina caminhando juntos. No Sínodo da Amazônia concretamente não houve, parcialmente, nem perdedores e nem ganhadores. Todos, enfim, ganhamos. É verdade que alguns queriam um texto normativo, com muitas proibições ou permissões. E para nossa surpresa, nos chegou uma Carta de Amor à Querida Amazônia. A gramática que ele usou foi a “gramática do amor”. O que existe de mais sublime, além do amor? O que mais queremos, além do amor? A referida Carta é escrita em um gênero literário, muito presente na Bíblia, mas pouco trabalhado teológico e pastoralmente: o sonho. Quem não se lembra dos sonhos de Jacó (Gn 28,10ss), de José do Egito (Gn 37,1ss) e de José, esposo de Maria (Mt 1,20ss)? Francisco é também um sonhador. Sonho é desejo, desejo é sede. Deixar de sonhar, de desejar e de ter sede é começar a morrer.  

É bom e é bonito saber que o papa sonha. E que não tem apenas um, mas quatro sonhoso sonho social, o sonho cultural, o sonho ecológico e o sonho eclesial. Nestes seus sonhos Francisco não anula, não substitui, não deleta e não cita, uma única vez, o Documento Final do Sínodo. Ao contrário, recomenda a sua leitura, na integralidade, e que se pratique o que foi ali aprovado. Muitos parágrafos se concluem com cantos e poemas, cheios de belezas, simbolismos e harmonias. O estilo poético do papa se torna fortemente profético. Poesia e profecia. Costumo dizer que o poeta é a pessoa mais importante do mundo. O poeta é um artista. O profeta também. Com um poeta-profeta, Francisco mistura momentos de ternura com momentos de vigor. Francisco abriu o seu coração para amar, acolher, celebrar e agradecer à sua Querida Amazônia. No sonho mais espinhoso o papa silenciou. Este seu silêncio deve ser respeitado. Diz um padre da Igreja que o silêncio do bispo é obsequioso. Ele silencia mais no sonho eclesialPor que? Ele silencia diante daquilo que não pode falar. Ele não coloca remendo novo em pano velho e nem vinho novo em odres velhos, como nos lembra Jesus (Mt 9,16-17). Silêncio aqui é respiro, é suspiro, é pausa e é repouso. O Sínodo da Amazônia é para toda a humanidade e para todos, na Igreja, nesta humanidade. É como diz o padre Victor Codina se o papa tivesse permitido ordenação sacerdotal de homens casados ou de diáconas para mulheres o Sínodo passaria a ter um horizonte planetário e universal, aberto à sobrevivência da humanidade, para ser uma discussão interna dos católicos” (Revista IHU, on line, 19/02/2020).   

Uma dificuldade que tenho é ver meus sonhos se tornarem realidade. Isto não deve ser difícil para o papa Francisco. Mas para mim éComumente meus sonhos são maiores do que a capacidade de vê-los realizados. No entanto, uma coisa é certa: com muito conhecimento de causa, o papa viu os rostos e ouviu os gritos da Amazônia e de seus habitantesE sonhou. Outra coisa também é certa: o papa Francisco transformou o medo e a polarização em poesias, embaladas por quatro sonhos. Como um rio que não separa, mas une (QA 45) os lados da direita com os da esquerda, ele nos reuniu e nos uniu com a Querida Amazônia.  

E agora, o que vou fazer, como pessoa física e como membro de uma comunidade eclesial, com a Querida AmazôniaVamos, pelo menos, contemplar a beleza da Querida Amazônia,para alongar, oxigenar e irrigar os nossos sonhosrezando e trabalhando juntos para defendê-la, através de serviços pastoral-ecológicos, cuidadosos e criativos. Amém! 

 

 

 

Tags:

leia também