Papa fala da Ascensão do Senhor como libertação do pecado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Papa.ascencao

Manhã de domingo movimentada no Vaticano, que hospedou, na sala Paulo VI, o movimento pela promoção da vida (LifeDay), enquanto, na Praça São Pedro, uma multidão acompanhava o Papa e a oração do Regina Coeli. Mesmo com o mau tempo, fiéis e peregrinos compareceram em grande número à praça diante da Basílica de São Pedro para ouvir as palavras do Santo Padre, a oração e receber a sua bênção.

 

 

Bento XVI falou aos presentes sobre a Ascensão do Senhor, ressaltando que esta “assinala o cumprir-se da salvação, iniciada com a Encarnação”. Ele explicou que ao ascender aos céus, Jesus não abandonou a humanidade, pelo contrário, “assumiu consigo os homens na intimidade do Pai e assim revelou o destino final da nossa peregrinação terrena”.

 

“A Ascensão é o último ato da nossa libertação do peso do pecado”, disse o Papa, que acrescentou: “Por isso os discípulos, quando viram o Mestre levantar-se da terra e elevar-se para o alto, não foram tomados pelo desconforto, mas sentiram uma grande alegria e sentiram-se encorajados a proclamar a vitória de Cristo sobre a morte (cfr Mc 16,20).”

 

E o Pontífice aprofundou ainda mais o significado da Ascensão: “Caros amigos, a Ascensão nos diz que em Cristo a nossa humanidade é levada às alturas de Deus, assim, a cada vez que rezamos, a terra une-se ao Céu. E como o incenso, queimando, faz subir às alturas a sua fumaça de suave perfume, de forma que, quando elevamos ao Senhor a nossa fervida e confiante oração em Cristo, ela atravessa os céus e alcança o Reino de Deus, é por ele ouvida e atendida”.

 

Por fim, o Papa citou a obra de São João da Cruz, a Subida ao Monte Carmelo: “para ver realizados os desejos do nosso coração, não há modo melhor que colocar a força da nossa oração naquilo que agrada a Deus. Então ele nos dará não somente o que pedimos, ou seja, a salvação, mas também o que considerar que seja conveniente e bom para nós”.

 

O Papa lembrou então dois eventos trágicos ocorridos na Itália nas últimas 24 horas: um atentado a uma escola da cidade de Brindisi e o terremoto desta madrugada que atingiu a região italiana da Emília Romagna deixando, até o momento, um saldo de seis mortes. O Santo Padre manifestou sua proximidade às vítimas e aos seus familiares.

 

Como sempre faz, Bento XVI saudou os presentes nas suas diversas línguas e hoje, também em português. Presente na Praça São Pedro, conversamos com Pe. Walter Jorge Pinto, que estava acompanhando um grupo de brasileiros da Arquidiocese de Mariana, Minas Gerais, e também com o Arcebispo de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha.

Tags:

leia também