“O Senhor me ungiu, me consagrou, me enviou…”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo de Juiz de Fora

 

Impelidos pela situação da pandemia do novo coronavírus, o último dia 1º de outubro se tornou para nós uma data muito especial. Foi a primeira vez que estivemos reunidos, clero e seu Pastor Arquidiocesano. Transportamos para esse início do mês, dedicado às missões, toda a santidade e unção pascal da Quinta-feira Santa, quando estivemos premidos a não celebrar, na ocasião, a Missa do Santo Crisma.

Quis Deus que, nesse corrente ano, este mês tão especial caísse numa quinta-feira. Outubro se abre com a festa de Santa Teresinha do Menino Jesus, a jovem do Carmelo a quem o Papa Pio XI constituiu Patrona Universal das Missões. Este é também Mês do Rosário, tempo de contemplar as maravilhas de Deus acontecidas na vida de Maria em benefício de toda a humanidade. Na récita do Santo Rosário, contemplamos os principais mistérios da nossa Redenção. Em outubro, celebramos a maior das festas marianas do Brasil, o Dia Nossa Senhora Aparecida, a Excelsa Rainha e Padroeira de nossa querida pátria brasileira.

A celebração realizada na última quinta-feira, em nossa bela Catedral, é chamada de Missa dos Santos Óleos. Nela, acontece a bênção dos Óleos dos Catecúmenos e dos Enfermos e a consagração do Óleo do Crisma. Se o Óleo dos Catecúmenos serve para o Batismo, em preparação do grande dom de se tornar filho de Deus e membro da Igreja; se o Óleo dos Enfermos serve para os enfermos; o Óleo do Crisma serve para vários outros sacramentos, vários outros momentos. É usado também no Batismo, consagrando o peito, o coração e a vida de quem recebeu a regeneração na água batismal; é celebrado no Sacramento da Crisma, geralmente aplicado aos jovens, confirmando o seu Batismo; é derramado nas mãos dos neossacerdotes, aqueles que o Senhor, no seu mistério, escolheu, consagrou e enviou. O Santo Crisma é também utilizado para a consagração dos bispos, representando, de fato, a unção que Jesus Cristo recebeu e que, por misericórdia, passa para aqueles que escolhe e envia.

Assim como Cristo é o ungido do Pai, pela misericórdia Divina, alguns entre os batizados são escolhidos para perpetuar a Sua missão sacerdotal e a Sua missão de pregador, de evangelizador, de anunciador da boa-nova. E somos nós. Não pelos nossos merecimentos. Não somos padres pelas nossas virtudes, mas pela graça de Deus. Não somos ungidos porque merecemos, mas para que nos purifiquemos e sirvamos ao povo de Deus. A nossa missão, queridos padres, é a missão de Cristo. Missão que Ele mesmo confere aos apóstolos e aos sucessores destes.

Sejamos sacerdotes sempre renovados, segundo o coração de Cristo, o ungido do Pai. Somos chamados, consagrados e enviados para realizar o que Cristo realizaria se estivesse em pessoa física entre nós.

Com Santa Teresinha, o padre aprende a ser padre simples, amoroso de Deus e do próximo, cumpridor da vontade de Deus, zeloso pela salvação das almas. Que Deus nos dê a graça de sermos, ao menos um pouco, parecidos com Santa Teresinha em nosso agir. Amém.

 

 

Tags:

leia também