O bom pastor e os seminaristas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Pedro Brito Guimarães
Arcebispo de Palmas (TO)

Ontem, bem cedinho, depois de muitos dias, talvez por causa da Semana Santa e do isolamento sócioeclesial, decorrente do covid-19, um parceiro meu, de belas canções, padre Wallison Rodrigues, mandou-me uma mensagem no WhatsApp. Inicialmente, falou-me de um trabalho que estamos fazendo juntos. Em seguida, falou-me da estranheza da Semana Santa, de portas fechadas e sem povo, da falta de calor, de sabor e de luminosidade… E, enfim, no áudio seguinte, depois de um breve respiro ou suspiro, disse-me, mais ou menos, assim: “Eu estava pensando, entre uma coisa e outra, a gente poderia pensar em um canto para os nossos seminaristas (…) Ninguém tem vocação para ser seminarista. Um hino vocacional que abraçasse aquelas etapas da vida daqueles rapazes…” Foi a gota d’água que faltava para aflorar e despertar em mim aquela velha veia poética, um pouco adormecida, por conta também do isolamento que estamos vivendo.

Em seguida, fui celebrar a missa no nosso Seminário Propedêutico, onde residem atualmente sete seminaristas que, com êxito e galhardia, atravessaram este tempo de confinamento. Pensei em todos os outros seminaristas que interromperam o tempo de formação e estão isolados, como eu, mas sem a maturidade e a experiência de vida, suficientes para entender o que está se passando no mundo.

Pensei no jovem Samuel. E pensei até no jovem Davi, com a funda apontada para Golias. Uma baladeira na minha mão, pode não fazer nenhuma diferença, mas na sua mão, abateu o gigante. Tive, finalmente, diante dos meus olhos – não sei o porquê -, o famoso conto de Hermann Hesse, “Sonho de uma Flauta”, e o Salmo do Bom Pastor (Sl 22), em cujo cabeçalho está escrito: “O Cordeiro será o seu pastor e os conduzirá às fontes da água da vida” (Ap 7,17). Aparentemente, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Mas, na mão de um sedento poeta (que não é o meu caso), tudo tem muito a ver.

Pensei em compor este canto para os seminaristas confinados. Ainda não terminei. E, pelo andar da carruagem, acho que vai demorar ainda um pouco de tempo. Nem me arrisco a dizer mais nada do que isto…

Antes, porém, queria dizer a todos os seminaristas do mundo (ousadia demais!) que esta certamente deverá ser uma das primeiras batalhas a ser vencida. Depois virão outras. Batalhas estas que não serão vencidas com retóricas e ideologias, nem com a “força de cavalo” e nem com voluntarismo. O discernimento será uma arma poderosa a nosso favor. E talvez nem somente com orações, caso não tivermos outras atitudes: “este tipo de demônio não se expulsa a não ser com oração e jejum” (Mc 9,29).

Este tempo não é um tempo ocioso. Aliás, há um padre da Igreja que afirmou que um pouco de ócio faz até bem a gente. Antes de mais nada, começo meus aconselhamentos a vocês, seminaristas, recordando a trilogia, da qual gosto muito, que se tornou dois livros do meu amigo, padre Wellistony Carvalho Viana, Diretor Espiritual do Pontifício Colégio Brasileiro, em Roma. A primeira é do escritor latino, Plínio, o Velho: “nem um dia sem palavras” (nulla dies sine linea). E, inspirado nela, o autor elaborou mais duas fases lapidares: “nenhum dia sem oração-meditação pessoal” (nulla dies sine meditatione) e “nenhum dia sem um gesto de caridade” (nulla dies sine caritate). Palavra-meditação)oração)-caridade, um santo remédio, para curar as nossas feridas, em tempo de pandemia. A primeira, ajuda a alongar o cérebro; a segunda ajuda à prática da oração mental; e a terceira ajuda à prática do amor social. Boas leituras, momentos fortes de oração e quaisquer trabalhos voluntários. Ofereçam o que vocês têm de melhor ou sabem fazer às suas Igrejas. Perguntem: em que podemos ajudar? Vocês sabem usar as redes sociais mais do que nós? Nos ensinem! Sabem rezar melhor e mais do que nós? Rezem com e por nós! Têm suficiente tempo para leituras? Leiam os nossos escritos! Gostam de visualizar e de postar matérias nas redes sociais? Vejam aquelas mais edificantes e formativas! Receberam tarefas dos professores, dos formadores e dos bispos? Cumpram-nas fielmente! Amam a missão? Ajoelhem-se! Gostam de palavras cruzadas? Joguem-nas! É um bom passatempo, além de cultural. E não se esqueçam de exercícios físicos para descongestionar o corpo e descansar a mente. Dizia um amigo meu: “tenha medo de crítica de mente cansada”. Por fim, não deixem cair os sistemas imunológicos. Quaisquer doenças podem ser fatais.

Nestes tempos difíceis, é importante lembrar que Deus nunca permite um mal sem poder tirar dele um bem maior. Qual será o bem que podemos tirar desta pandemia? Pensem nisto, em níveis pessoal e planetário. Como seria belo se a humanidade aprendesse que estamos num mesmo jardim, somos uma mesma família, uma mesma espécie ameaçada por um ínfimo inimigo comum. Sim, nós não somos o inimigo, nem o migrante, nem o sírio, nem o palestino, nem o judeu, nem o ateu, nem o muçulmano, nem o negro, o índio e o branco, nem o partido de direita ou aquele de esquerda. Estamos todos no mesmo barco, chamado Planeta Terra e pertencemos à mesma raça humana. E como tudo isto vale também para o nosso querido Brasil! Nesse tempo, seria bom pensar sobre o que nos une e não alimentar aquilo que nos divide. Se vamos aprender esta lição ou não, vai depender de cada e de todos. Uma coisa é certa: nós, como Igreja, temos um papel fundamental para ajudar nosso povo a encontrar o caminho da unidade, que começa sempre por nós mesmos. Quem, senão o Pastor do rebanho, poderá reunir suas ovelhas num mesmo aprisco? Lembrem-se, pois: vocês serão os futuros pastores deste povo disperso!

É oportuno também aqui registrar a frase, retirada da canção “Amor de Índio”, de Beto Guedes e Ronaldo Bastos: “abelha fazendo mel vale o tempo que não voou”. Vamos então produzir bons méis nos nossos confinamentos para adoçar e salvar vida, pois, mais vale um seminarista, qual abelha fazendo mel, do que mil agitados e estressados.

Aproveito a oportunidade para recordar que quando o Papa Francisco disse que “tudo está interligado” (LS 16), para o bem e para o mal, muitos retorceram os pescoços e menearam as cabeças. O que está acontecendo com a nossa casa comum? Mexeu com um, mexeu com todos. Não está na hora de a Ecologia Integral fazer parte do currículo dos estudos seminarísticos?

E, por fim, não tenham medo da solidão e do silêncio. A solidão e o silêncio, se verdadeiros, fazem muito mais bem do que mal. Não esqueçam que amamos vocês, de coração de todo o coração. E que a Igreja caminhará com os pés de vocês, num futuro muito breve.

Tags:

leia também