Nascidos para amar e cuidar da vida

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo  de Campos (RJ)

Nos anos da guerra do Vietnã foi exibido um filme que retratava o drama dos soldados, intitulado “Born to kill”: nascido para matar. A visão cristã e das religiões que prezam a humanidade é outra, somos nascidos para a comunhão, isto é, para amar e servir, cuidando da própria vida e protegendo a vida de todas as pessoas e criaturas.

Um impactante “best seller” americano, que foi traduzido para dezessete idiomas, do Ph.D de pedagogia da University of Southern, Califórnia, professor Leo Buscaglia, confirma estas assertivas. Ministrou, durante anos, o curso chamado Amor, testemunhando, como já afirmara Benjamim Disraeli, que: “Todos nós nascemos para amar. Este é o princípio da existência e a sua única finalidade”. Por isso, descobrimos a vida como uma preciosa dádiva de Deus e, correspondendo a este presente inestimável, somos convidados a nos tornar um dom para os outros. Amar e cuidar da vida dos outros é o grandioso sentido da evolução da espécie humana.

A neurociência, em nossos dias, assinala que os bebês, já na maternidade, apresentam sinais de empatia e interesse pelos outros. É esta vivência que observamos nas primeiras famílias cristãs, acolhendo incondicionalmente a vida dos filhos e dos filhos abandonados por outros. Mais que uma doutrina fria e impessoal, como alguns quero pensar, bem intencionados, avaliam de forma geral o posicionamento dos cristãos a respeito ao aborto, trata-se de um amor generoso por acolher a vida dos pequeninos em qualquer circunstância.

Comportamento que não reage com julgamentos, mas que, na cordialidade não violenta, serve de amparo e socorro a todos/as os que sofrem ameaça de vida. Não é casual que o asilo político de proteção aos perseguidos nasceu nas Igrejas. A própria roda dos expósitos das Santas Casas era uma forma de salvar as crianças indesejadas, que seriam ou vendidas ou deixadas para morrer.

A origem da palavra cretino, que refere a existência na criança de uma diferença ou situação especial, hoje equiparada com o síndrome de Down, em língua provençal, na França, significava “crettienne”, ou seja, pequeno Cristo, e, como tal, não só era acolhido com alegria e amor, mas considerado a presença do Deus amor na família. Arturo Paoli, um famoso autor de espiritualidade cristã, sempre dizia que os direitos humanos são cristalizações ou registros da memória que a caridade humana e cristã deixou na defesa da vida e dignidade da pessoa humana ao longo da história.

Oferecer à menina capixaba, que sofreu estupro e foi levada ao aborto, um cuidado integral, que possa curá-la e promovê-la por inteiro, pela parte da CNBB, está inserido nesta tradição de defesa, cuidado, amor e reverência pela vida, em todas as idades, situações e circunstâncias. A vida é o primeiro direito do cidadão, um direito inviolável, imprescritível e inalienável. Deus seja louvado!

Tags:

leia também