“Minha vida Eu a dou por mim mesmo”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Caetano Ferrari
Diocese de Bauru (SP)

Estas são palavras de Jesus tiradas do Evangelho da santa Missa deste quarto Domingo da Páscoa. Em todo o trecho, segundo São João – Jo 10, 11-18 – Jesus continua a discussão com o judaísmo. Na parte anterior, depois que Jesus curou um cego de nascença, Jesus criticava os pastores de Israel, farizeus, etc, chamando-os inclusive de cegos de nascença, porque não queriam vê-Lo como o Messias prometido nem acreditar nEle não obstante os tantos sinais que Ele realizava à vista deles, como a cura daquele cego. Agora, na parte lida hoje, Jesus declara categoricamente “Eu sou o bom Pastor que dá a vida por suas ovelhas”. E explica que os mercenários não têm amor pelas ovelhas, as abandonam e fogem quando vem o lobo. Ele, ao contrário, como diz: “Conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou a minha vida por minhas ovelhas”. Ele fala que tem outras ovelhas de apriscos que não são deste que O conhecem, mas que é também seu dever pastorear e conduzir, e que elas escutarão a sua voz e formarão um só rebanho e um só pastor. Diz que o Pai o ama, porque Ele dá a sua vida para depois recebê-la novamente. Com tal convicção Ele se expressa, dizendo assim: “Ninguém tira a minha vida, Eu a dou por mim mesmo; tenho poder de entregá-la e tenho poder de recebê-la novamente; essa é a ordem que recebi do meu Pai”. Termina aqui a leitura do trecho evangélico deste quarto domingo da Páscoa.

A firme declaração de Jesus está assentada na união entre o Pai e o Filho e no amor que o Pai tem para com o Filho e o Filho para com o Pai. Tendo em vista esse amor e união entre Ele e o Pai, Jesus, livremente, com soberania divina dá a sua vida como também a poderá retomar como e quando quiser.

O pressuposto cristológico da soberania divina de Jesus, ora apresentado por Ele, segundo João, a Liturgia no-lo traz como mensagem neste domingo. A ressurreição de Jesus, que celebramos neste Tempo Pascal, deve ser vista como um “retomar a vida”, uma prova de que Ele não foi uma vítima de uma trama puramente humana. Mas como pessoa divina Ele, livremente, ofereceu a sua vida para cumprir a vontade do Pai e operar a salvação da humanidade, morrendo na cruz. E também com autonomia e poder divinos a retomou, ressuscitando ao terceiro dia. Esta é a grande revelação da ressurreição: a obra divina por excelência, morrer para perdoar os pecados e dar vida, vida divina, plena e eterna. Jesus é para sempre o Bom Pastor enviado pelo Pai para dar às suas ovelhas vida em abundância.

Este quarto domingo é o Domingo do Bom Pastor. É dia da Jornada mundial de oração pelas vocações presbiterais e religiosas. O Papa Francisco enviou uma mensagem especial para este que é o 55º Dia mundial de oração pelas vocações. O Papa lembra que em outubro próximo vai realizar-se a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que estudará o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. Esta é uma boa notícia que deve ressoar no 55º dia mundial de orações pelas vocações, porque “a nossa vida e a nossa presença no mundo são fruto duma vocação divina… Na diversidade e especificidade de cada vocação, pessoal e eclesial, trata-se de ‘escutar, discernir e viver’ esta Palavra que nos chama do Alto…”, diz o Papa. Então, nesta mensagem para este 55º dia mundial de oração pelas vocações, o Papa Francisco toma a passagem de Lc 4,16-21 que conta a visita de Jesus à sua sinagoga de Nazaré com o objetivo de chamar a nossa atenção ao conteúdo da missão que Jesus recebeu do Pai e que Ele anuncia naquele momento que veio realizá-la hoje. À luz desta mensagem evangélica, o Papa propõe uma reflexão sobre estes três aspectos: “escuta, discernimento e vida”.

Escuta: A voz de Deus é silenciosa e discreta. É preciso prestar atenção aos detalhes do dia a dia e manter-se aberto às surpresas do Espírito. Jesus muitas vezes se recolhia ao silêncio dos desertos para estar com o Pai. É preciso cultivar a vida interior, buscar espaços de contemplação, reagindo ao mundo barulhento e frenético de hoje. O Reino de Deus vem sem fazer rumor nem chamar a atenção. Deus passa na brisa suave como passou ao profeta Elias.

Discernimento: Cada um de nós só pode descobrir a sua vocação através do discernimento espiritual. Isso se dá no diálogo com o Senhor e na escuta da voz do Espírito, sobretudo quando se trata de escolher o estado de vida que se pretende tomar. A vocação dos profetas faz muita falta nestes dias de situações de grande precariedade material e de crise espiritual e moral. O mundo carece de profetas que comuniquem aos outros em nome de Deus palavras de conversão, esperança e consolação.

Viver: A vocação é hoje, como Jesus havia dito na sinagoga: cumpriu-se hoje esta Escritura: O Espírito do Senhor está sobre mim e me enviou a evangelizar, a libertar, a proclamar um ano de graça do Senhor aos pobres, oprimidos, sofredores. Por isso, Deus continua a descer para salvar esta nossa humanidade e convida-nos hoje a sermos participantes dessa missão. Viver com este espírito é belo, e é uma graça grande responder ao chamado de Deus para o serviço do Reino e dos irmãos. Deus espera o nosso generoso “eis-me aqui” em resposta à sua voz. Arrremata o Papa: “Escutá-la, discernir a nossa missão pessoal na Igreja e no mundo e, finalmente, vivê-la no que Deus nos concede”, é o que devemos fazer. Ele invoca Maria Santíssima, a jovem menina de periferia que escutou, acolheu e viveu a Palavra de Deus, para que nos guarde e sempre nos acompanhe no nosso caminho.

Tags:

leia também