27 de agosto também marca a passagem de dom Hélder Câmara e dom Luciano Mendes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dois arcebispos brasileiros que têm seus nomes inscritos, com destaque, na história da CNBB, dom Hélder Câmara e dom Luciano Mendes de Almeida, também faleceram no dia 27 de agosto.

No dia 27 de agosto de 1999, após uma parada cardiorrespiratória, falecia em Recife (PE), dom Helder Câmara. No dia seguinte, o Jornal “Folha de São Paulo” noticiava: “Segundo Antonio da Matta, um dos voluntários que trabalhava com d. Hélder, o religioso morreu dormindo, às 22h20. A causa da morte teria sido uma parada cardiorrespiratória. Até as 0h25 de hoje, as informações ainda não eram oficiais. A secretária particular de d. Hélder, Maria José Duperron Cavalcanti, a Zezita, foi quem primeiro teria alertado sobre a morte do religioso. Ela percebeu que o arcebispo não estava bem quando foi dormir e, cerca de três horas depois, foi ao quarto verificar seu estado de saúde, segundo Da Matta. Ao notar que o religioso não respondia aos seus chamados, afirmou o voluntário, ela entrou em contato com um médico. A morte foi então confirmada. D. Hélder, segundo Da Matta, passou o dia “tranquilo”, mas, pouco antes de dormir, por volta das 20h, aparentava estar “cansado, com falta de ar”. Ainda segundo o voluntário, dias antes de morrer, o arcebispo disse que sua maior preocupação era que um dia sua alma ‘fosse embora e que seu corpo resistisse‘”.

Era também domingo, dia 27 de agosto de 2006, quando falecia, em São Paulo (SP), dom Luciano Mendes de Almeida. A “Folha” deu a notícia no mesmo dia: “Morreu neste domingo dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, 75, arcebispo de Mariana (MG), em decorrência de falência múltipla de órgãos. Dom Luciano estava internado no Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP, desde o dia 17 de julho, para tratar de um câncer no fígado. Ele foi transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), onde permaneceu em estado grave, sedado e respirando com a ajuda de aparelhos. No Hospital das Clínicas, Dom Luciano tratava de um tumor provocado por uma recidiva do câncer desenvolvido há dois anos. Em 2004, submeteu-se a uma cirurgia no fígado para retirada do tecido doente. Ele havia contraído hepatite C há cerca de cinco anos, devido a uma transfusão. Em alguns casos, o câncer de fígado aparece como uma das complicações da hepatite C. Presidiu a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) de 1987 a 1994, tendo sido também secretário-geral de 1979 a 1987. Foi vice-presidente do Celam (Conselho Episcopal Latino-Americano)de 1995 a 1998“.

Tags:

leia também