Dia dos Pais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Manoel João Francisco
Arcebispo de Porto Alegre

 

No contexto do mês vocacional, no próximo domingo, dia 11 de agosto, estaremos celebrando o Dia dos Pais e a vocação à paternidade.

Conforme a carta do Apóstolo Paulo aos efésios, toda paternidade sobre a terra tem seu início em Deus e nele encontra seu modelo. “Por esta razão, dobro os joelhos diante do Pai, de quem recebe o nome toda a paternidade no céu e na terra” (Ef 3,14-15). A vocação e missão dos pais, portanto, é um dom divino, sublime e cheio de dignidade.
Contudo, este ideal de paternidade está ameaçado por muitos fatores. As diferentes configurações familiares delineadas nos tempos atuais, sem dúvida, trazem à vocação e missão dos pais grandes desafios, mais especificamente em relação à sua presença no ambiente familiar. Uma pesquisa realizada em 2005, depois de investigar milhares de certidões em cartórios de registro civil, e ter consultado dados do IBGE, concluiu que, anualmente, cerca de 800 mil crianças são registradas sem filiação paterna.

Segundo psicólogos e pedagogos a ausência ou abandono paterno é extremamente prejudicial à vida dos filhos, especialmente quando ainda são crianças e adolescentes. De acordo com estes mesmos especialistas, a ausência paterna tem potencial para gerar conflitos no desenvolvimento psicológico e cognitivo dos filhos. Eles podem levar, para a sua vida adulta, vários transtornos. A pediatra Melissa Wake, da Austrália, realizou uma pesquisa com quase 5 mil crianças entre 4 e 5 anos. Ela descobriu que a incidência de sobrepeso e obesidade na garotada em idade pré-escolar tem relação direta com a negligência dos pais. Na busca de solução, a psicóloga Ala ide Degani De Cantone dá algumas dicas: “Participe dos momentos importantes, felizes ou não, procure compreender a criança nos seus momentos mais adversos, orientando-a e propondo alternativas para a vida. Nem sempre é fácil, mas vale muito a pena”, conclui a especialista.

Na década de 90, esta realidade já preocupava os legisladores brasileiros que, em 1992, publicaram a Lei n° 8.560/92 que tinha por objetivo “dar pai a quem não tem”. De acordo com tal lei, todos os registros de nascimento, que não contivessem o nome paterno, deveriam ser comunicados ao Ministério Público para que o Estado iniciasse a busca por esta paternidade. Contudo, parece que a preocupação dos legisladores foi totalmente ignorada. Não tenho conhecimento que esta lei tenha sido posta em prática.

A Igreja sempre teve em grande conta a vocação à paternidade, destacando sobremaneira a missão dos pais, porque eles são, para as novas gerações, custódios e mediadores insubstituíveis da fé na bondade, na justiça e na proteção de Deus.

Em novembro de 1986, na Austrália, o Papa, São João Paulo II, dirigindo-se aos pais, assim lhes falou: “É um privilégio estupendo, uma missão maravilhosa que recebestes de Deus”. Na mesma homilia, voltando-se para os filhos, exortou-os: “E a vocês crianças e jovens, presentes aqui em número tão considerável, que posso dizer? Amem seus pais, rezem por eles, cada dia, dêem graças a Deus por eles”.

Fazendo eco aos especialistas no que diz respeito à presença do pai na vida dos filhos, o nosso Papa Francisco, numa das Audiências Gerais, nas quartas feiras, fez este pronunciamento: “Hoje, porém, sobretudo na cultura ocidental, o conceito de pai parece estar em crise. Se no passado a paternidade estava ligada ao autoritarismo, agora se passou ao outro extremo: a ausência da figura paterna. Muitos são os jovens que experimentam um sentido de orfandade, não porque não tenham um pai, mas porque está ausente. A ausência do pai é muito nociva às crianças e aos jovens, produz lacunas e feridas que podem ser muito graves. Eles ficam vazios e propensos a buscarem ídolos que preencham os seus corações. A ausência dos pais deixa os jovens sem estradas seguras, sem mestres nos quais confiar. Ficam órfãos de ideais que lhes aqueçam os corações, órfãos de valores e de esperanças que amparem o seu dia a dia. O pai deve estar presente na família, que seja próximo da mulher, para compartilhar tudo, alegrias e tristezas, fadigas e esperanças. E deve estar próximo dos filhos em seu crescimento: quando brincam e quando se empenham, quando ousam ou hesitam, quando erram e voltam atrás. Pai presente sempre! Presente não significa controlador, pois pode anular o filho”.

Sem a graça que vem do Pai que está nos céus, os pais da terra não conseguem realizar a sua sublime vocação. Por isso, o pai cristão, só o será de fato, se for uma pessoa de fé, de oração e de prática sacramental.
Feliz Dia dos Pais!

Tags:

leia também