Conversão: colocar Deus no centro da nossa vida!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)

No início da nossa caminhada quaresmal, a Palavra de Deus convida-nos à “conversão” – isto é, a recolocar Deus no centro da nossa existência, a aceitar a comunhão com Ele, a escutar as suas propostas, a concretizar no mundo – com fidelidade – os seus projetos.

A primeira leitura(cf. Gn 2,7-9;3,1-7) afirma que Deus criou o homem para a felicidade e para a vida plena. Quando escutamos as propostas de Deus, conhecemos a vida e a felicidade; mas, sempre que prescindimos de Deus e nos fechamos em nós próprios, inventamos esquemas de egoísmo, de orgulho e de prepotência e construímos caminhos de sofrimento e de morte.

A segunda leitura(cf. Rm 5,12-19) propõe-nos dois exemplos: Adão e Jesus. Adão representa o homem que escolhe ignorar as propostas de Deus e decidir, por si só, os caminhos da salvação e da vida plena; Jesus é o homem que escolhe viver na obediência às propostas de Deus e que vive na obediência aos projetos do Pai. O esquema de Adão gera egoísmo, sofrimento e morte; o esquema de Jesus gera vida plena e definitiva.

O Evangelho(cf. Mt 4,1-11) apresenta, de forma mais clara, o exemplo de Jesus. Ele recusou – de forma absoluta – uma vida vivida à margem de Deus e dos seus projetos. A Palavra de Deus garante que, na perspectiva cristã, uma vida que ignora os projetos do Pai e aposta em esquemas de realização pessoal é uma vida perdida e sem sentido; e que toda a tentação de ignorar Deus e as suas propostas é uma tentação diabólica e que o cristão deve, firmemente, rejeitar.

Sobre as tentações que  Jesus sofreu no deserto podemos concluir que: 1. Todos nós somos tentados. Diariamente as tentações batem à nossa porta: preguiça, desobediência aos pais e líderes, mentira, palavrões, inveja, orgulho, fofoca, namoro, sexualidade, roubo, drogas, etc. 2. Temos a arma para vencer a tentação: a Palavra de Deus. Foi com ela que Jesus venceu a Satanás. Lembre-se: ela é mais poderosa que qualquer espada de dois gumes (cf. Hebreus 4,12). 3. Quando vencemos, enchemos o coração do Pai de alegria e envergonhamos ao diabo, pois quando vencemos, em nós é cumprida a Palavra do Senhor de que em tudo somos mais do que vencedores (Romanos 8, 37). A privação da posse, do poder e do prazer deste mundo não se compara com a Glória que havemos de possuir quando tudo se consumar em todos (cf. Romanos 8,18-25).

Jesus é conduzido pelo Espírito ao deserto. Ali Ele tem um período intenso de jejum e oração. É a experiência dura da vida, numa situação de fragilidade, e ainda a surpresa do tentador. Realizar fáceis prodígios que satisfaçam aqui e agora exaltem o possuir, é o que lhe propõe o tentador. Mas Jesus rejeita um messianismo fácil e espetacular, e radicalmente se põe à escuta e à obediência do Pai.

Jesus inicia a sua vida pública chamando para a conversão. O convite desse tempo à penitência é para voltarmos sempre nosso coração a Deus, tirar o que é obstáculo à graça e nos dedicarmos aos necessitados. A Campanha da Fraternidade remete ao Papa Francisco para falar da importância de não naturalizar a indiferença e a violência. O Papa pede de nós um outro rumo na Encíclica Laudato Sí. A Campanha da Fraternidade aponta para esse outro rumo a partir da parábola do Bom Samaritano. Em tempos de indiferença globalizada, a solução para os problemas da vida nunca virá através da violência e da morte. Ela virá do cuidado para com o próximo! Isso é um excelente caminho de conversão! Conversão é colocar Deus no centro da nossa vida!

Tags:

leia também