Construindo novos começos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Lindomar Rocha
Bispo de São Luís de Montes Belos

Entre as intuições mais profundas da Encíclica Fratelli Tutti encontra-se a formulação do Papa Francisco que diz:

Se alguém pensa que se tratava apenas de fazer funcionar melhor o que já fazíamos, ou que a única lição a tirar é que devemos melhorar os sistemas e regras já existentes, está a negar a realidade” (7).

Essa locução soa como uma verdade avassaladora nos ouvidos do mundo que muda de forma acelerada, deixando atônitas até as ideias mais bem ajustadas e alocadas com ar de contemporaneidade.

É avassaladora porque o desafio de novos começos lança o olhar para o desconhecido, que como os Apóstolos, embora tivessem ouvido falar muitas vezes de Ressurreição, custaram a acreditar, até mesmo no que seus os olhos viram.

O começo assusta porque não é a origem. A origem é desconhecida e emana de fontes que ainda nos é estranha. Desse modo, precisamos começar sem conhecer ainda as origens.

O Papa, então, nos alerta que, por já conhecermos as origens de tudo que está acontecendo, caímos na tentação de repetir o mesmo começo, apenas pausado por forças circunstanciais que logo passarão, recolocando-nos nos trilhos novamente.

Há, portanto, uma trapaça que nos faz acreditar que basta acelerar aquilo que já fazemos para chegar a um bom fim. Algo como imaginar que o remédio contra a destruição que a técnica inflige ao mundo, é mais técnica; ou, então, que o descanso para quem já está correndo, é correr mais. Essa trapaça é profundamente arraigada na natureza humana.

Aí está um desafio digno de reflexão que o Papa nos põe. Ele está convicto que o mundo já não funciona bem a mais tempo do que estamos acostumados a pensar. Os graves problemas da migração, do número de empobrecidos e do esgotamento de recursos depõe a favor de sua visão. Chegamos, assim, a um momento crucial na história humana, um momento que só será superado se contar com novos começos.

Novos começos precisam ser gestados a partir de tudo que vivenciamos agora, mas não só agora, pois a origem do que vivemos está profundamente fincada em nossos corações, inteligência e vontade, e requisita de cada um a coragem e a força que muitas vezes não temos para desalojá-la da história.

A pandemia que nos assombra a todos nos dias de hoje é o turbilhão do qual esperamos sair para retomar o nosso caminho, mas um evento desta magnitude não deixa as coisas ficarem onde estão. É “negar a realidade” pensar que podemos ligar as pontas e recomeçar a partir de janeiro próximo passado.

Novos começos precisam ser gestados em todas as dimensões da vida, a começar pela política, mas se espalhando pelas práticas pastorais e iniciativa do pastoreio que dizem respeito aos irmãos de fé e as pessoas de boa vontade.

A prática do Samaritano é o exemplo que nos dá o Senhor de tudo, mas como bem asseverou o Papa Francisco: o desafio é fazer que este seja um recomeço para todos.

 

 

Tags:

leia também