Comissão para a Vida e a Família da CNBB busca unir forças com movimentos eclesiais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
VIda e Família - Movimentos

Com o objetivo de aumentar o engajamento e a ajuda mútua na evangelização das famílias, a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) convidaram representantes de Movimentos Eclesiais que atuam com famílias para um dia de partilha de experiências à luz da Eclesiologia do Papa Francisco e das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023). O encontro foi realizado neste sábado, 14 de março, em Brasília (DF).

A ideia do encontro nasce da recordação de que os Movimentos Eclesiais sempre colaboraram no processo de construção do serviço evangelizador prestado às famílias. De acordo com a Pastoral Familiar, se constata no Brasil que muitos dos membros dos Movimentos Eclesiais colaboram nos diversos trabalhos sistemáticos que a Pastoral Familiar desenvolve e outros tantos entre estes são membros dos movimentos e também agentes da Pastoral.

A imagem pode conter: 1 pessoa
Dom Ricardo Hoepers | Foto: CNPF/Luiz Lopes Jr

O bispo de Rio Grande (RS) e presidente da Comissão para a Vida e a Família da CNBB, dom Ricardo Hoepers, falou deste “encontro importante” com as coordenações e responsáveis dos movimentos em nível nacional que trabalham a questão da família no Brasil: “Foi um momento histórico, de extrema importância, porque retomamos a Familiaris Consortio e, agora, na perspectiva da Amoris Laetitia, confirmamos de alguma maneira a importância de um trabalho cooperativo, uma frente de trabalho que possa unir todos os que se dedicam à questão da família no Brasil, tendo em vista as fragilidades tanto sociais, políticas, econômicas e religiosas que a família vem enfrentando”.

O encontro contou com a presença de representantes, entre casais e assessores eclesiásticos (bispos, religiosa e padre) do Movimento Famílias Novas, dos Focolares; das Equipes de Nossa Senhora; do Encontro de Casais com Cristo (ECC); da Aliança de Casais com Cristo (ACC); do Ministério para as Famílias da Renovação Carismática Católica (RCC); do Movimento Familiar Cristão e do Caminho Neocatecumenato.

Cada movimento trouxe um pouco da sua perspectiva, do seu carisma. Foi muito enriquecedor ver a dedicação e a organização dos movimentos em nível nacional e internacional”, partilhou dom Ricardo.

Para o bispo, a aproximação maior com os movimentos que atuam com as famílias representa “um potencial muito grande” e “uma frente de trabalho muito profícua”, com possibilidade de fortalecimento de projetos e das perspectivas em torno do que a Igreja pede no cuidado com a família. “Assim, penso que demos um grande passo como Comissão Vida e Família, o primeiro de muitos que virão unindo as forças em torno da defesa e da promoção da família no Brasil”.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas, mesa e área interna“Sempre tivemos esse desejo de buscar essa integração porque todos esses movimentos fazem trabalho de Pastoral Familiar e muito contribuem com a pastoral. No fim o objetivo é o mesmo”, ressalta o casal coordenador nacional da Pastoral Familiar, Luiz e Káthia Stolf.

“Esse desejo, essa vontade, essa determinação de, por parte deles, se colocarem à disposição nesse serviço junto à Pastoral Familiar é de fundamental importância”, avalia o casal coordenador nacional.

Propostas

A Comissão Episcopal e os movimentos devem “unir forças” num trabalho em conjunto do ponto de vista de atividades, oferta mútua de materiais e especialistas, publicações e formações. De acordo com dom Ricardo, serão incentivadas as participações em iniciativas como a Semana da Família, os Congressos Nacionais e internacionais e o Simpósio e a Peregrinação, em Aparecida. “Essas atividades nacionais podem e devem ser vividas, partilhadas e convocadas e participadas por todos que trabalham com família no Brasil”, ressalta.

Presenças

Além de dom Ricardo Hoepers, outros dois bispos estiveram presentes: dom Moacir Arantes, bispo auxiliar de Goiânia (GO), e dom Adair José Guimarães, bispo de Formosa (GO), respectivamente, secretário e vice-presidente do Regional Centro-Oeste da CNBB.

Tags:

leia também