A dignidade humana

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de São Salvador (SP)

 

Quanto “vale” uma pessoa? Há uma tendência muito difusa de se definir o “valor” de uma pessoa a partir da sua riqueza, profissão, estudo, moradia, aparência, raça, dentre outros fatores. Quando o valor da pessoa humana é definido por tais parâmetros, temos como consequências o desrespeito, a discriminação, a desigualdade, as violações à vida e aos direitos fundamentais. O valor de uma pessoa decorre do fato de ser gente; está inerente à sua condição de ser humano. Toda pessoa humana possui uma dignidade que deve ser reconhecida, defendida e promovida em qualquer condição ou situação em que se encontrar. Não se pode atribuir menor dignidade à vida que se encontra fragilizada. Menor condição de vida ou de saúde não significa menor dignidade. Ao contrário, a vida mais vulnerável necessita de maior atenção e solidariedade. Em última análise, sob o ponto de vista teológico, trata-se de um dom do Criador, que fez o homem e a mulher à sua “imagem e semelhança”. Por isso, a dignidade humana não ocorre por concessão de alguma pessoa ou instituição social; é um dado antropológico a ser reconhecido e tutelado pelas instituições sociais, que não podem jamais ignorá-la ou permitir a sua violação.

A desigualdade em termos de dignidade acarreta desastrosas consequências nos relacionamentos entre as pessoas, na vida familiar e social. Por isso, na base dos direitos humanos está justamente o reconhecimento da comum dignidade das pessoas, isto é, da igualdade em termos de dignidade. Entretanto, a afirmação de que toda pessoa humana tem dignidade inviolável não deve ficar restrita a um princípio geral, mas deve ser traduzida na prática, nos diversos níveis, a começar da vida cotidiana. Temos a exigente e bela tarefa de fazer valer a dignidade de cada pessoa no dia-a-dia, com quem convivemos ou encontramos. Nenhuma pessoa pode ser tratada como coisa ou animal.

Infelizmente, a deterioração dos relacionamentos humanos revela que o desrespeito e a banalização da vida vão se tornando algo natural, incorporados ao cotidiano. Além disso, é preciso assegurar o respeito, a defesa e a promoção da comum dignidade da pessoa, nos diversos campos da vida social, através da ação dos órgãos públicos, das entidades da sociedade civil e das organizações religiosas. Embora as atitudes pessoais e espontâneas sejam sempre muito importantes, são também muito necessárias ações comunitárias e políticas públicas para assegurar o reconhecimento da dignidade e dos direitos de cada pessoa. Isso implica num grande sim à vida e à dignidade humana, que os cristãos e todas as pessoas de boa vontade devem proferir e testemunhar com especial empenho, especialmente neste tempo difícil de pandemia.

Tags:

leia também