Bispos, peregrinos em Roma

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Os bispos de Regional Sul 1 de CNBB (Estado de São Paulo) encontram-se em Roma, em visita ad limina Apostolorum – “para junto dos Apóstolos”. Além das audiências privadas de cada bispo diocesano com o papa e da reunião do grupo de 49 bispos do Estado com ele, fazem parte dessas visitas também as reuniões com os diversos colaboradores do Sucessor de Pedro na Cúria romana, os quais respondem pelos muitos aspectos e setores do serviço prestado pelo Sumo Pontífice à Igreja do mundo inteiro.

Desejo destacar neste artigo que a visita também é uma peregrinação e, por isso, logo no início das visitas, os bispos celebraram a Eucaristia nas catacumbas de S.Calisto, recordando os mártires, que deram a vida em testemunho pela fé em Cristo, entre os quais o próprio papa S.Calisto e seu diácono. No programa, também estão as visitas às 4 grandes basílicas romanas, que lembram a universalidade da nossa Igreja e são como as “igrejas-mães”de todos os templos cristãos.

Celebramos na basílica de São Pedro, o Apóstolo que recebeu de Jesus o poder das chaves e a especial missão de conservar unida e fiel a Igreja em torno de Cristo e de confirmar os irmãos na verdadeira fé. Dom Nelson, presidente do nosso Regional, presidiu a Eucaristia no altar situado na cripta da Basílica, de frente para o  túmulo de São Pedro. Com devoção e emoção, após a comunhão, vestidos de roupas litúrgicas vermelhas, os bispos passaram em procissão entre os túmulos de muitos papas, que ali repousam, cantando as ladainhas de todos os santos. Como pastores da Igreja e sucessores dos apóstolos, os bispos são responsáveis pela difusão e o testemunho fiel do Evangelho no mundo, à semelhança dos primeiros apóstolos e de tantos pastores, confessores da fé, missionários, místicos e mártires da Igreja, ao longo dos séculos. E contam com a intercessão deles para o bom cumprimento dessa missão.

A basílica de Santa Maria Maior foi a primeira igreja dedicada a Maria, com o título de “Mãe de Deus”, e sua edificação remonta ao século V da era cristã, ao tempo do Concílio de Éfeso (481dC), que definiu o dogma da maternidade divina da Virgem Maria: ”Jesus, nascido de Maria, é verdadeiramente o Filho de Deus”. De fato, trata-se de um dogma cristológico pois afirma que, já na sua geração no seio de Maria e seu nascimento humano, Jesus é o Filho de Deus e não recebeu este “título” em algum momento posterior, como afirmavam alguns hereges daquele tempo. A Eucaristia foi presidida por Dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida. No final da celebração cantamos a ladainha “lauretana”de N.Senhora, passando em procissão pela longa nave da belíssima igreja; peregrinos e turistas cantaram conosco, emocionados.

No dia 16 de novembro fizemos nossa peregrinação à basílica de São Paulo Fora dos Muros, que abriga o túmulo do Apóstolo, debaixo do altar-mor, não longe do lugar do seu martírio. É uma igreja muito grande, repleta de história, com obras de arte de muito valor, especialmente um grande e precioso mosaico na ábside do Cristo “Pantocrator” rodeado dos apóstolos, acima do presbitério. Nesta igreja, no dia 25 de janeiro, todos os anos, o Papa preside a oração pela unidade dos cristãos e realiza um encontro ecumênico com representantes de outras Igrejas cristãs não-católicas; por isso mesmo, ela está relacionada com a promoção do diálogo ecumênico e a busca da união de todos os fiéis em Cristo. Nesta celebração também renovamos o compromisso com a animação missionária das nossas Igrejas diocesanas, pedindo que o grande São Paulo nos contagie com seu amor a Cristo e seu generoso ardor missionário. Tive a graça de presidir a Eucaristia neste lugar tão significativo para a Igreja e pedi a especial intercessão de São Paulo pela nossa Arquidiocese. Ainda peregrinos, um grande grupo de bispos fez visita aos túmulos de S.Francisco e S.Clara, em Assisi, no domingo, dia 15 de novembro.

No sábado, 14 de novembro, o papa Bento XVI recebeu todos os bispos do Regional em audiência e pronunciou um discurso. Recordou a Conferência de Aparecida e desejou que ela produza muitos frutos; destacou ainda a missão episcopal de despertar e formar as consciências para os valores morais, a valorização da vida e a defesa da pessoa humana e sua dignidade. A visita, que se encerra no próximo fim de semana, está sendo muito enriquecedora para todos nós.

Tags:

leia também