Banquete aberto para todos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Caetano Ferrari
Diocese de Bauru (SP)

Permanecemos ainda envolvidos nas fortes emoções da grande celebração dos trezentos anos de Nossa Senhora Aparecida. Outubro é mês marcado por Maria, a Mãe do Santo Rosário, a Mãe Aparecida e a Mãe da evangelização. Por causa desta Mãe, o Papa Leão XIII fixou outubro como mês do Santo Rosário. O Papa Pio XI, em 1930, proclamou Nossa Senhora Aparecida Rainha e Padroeira principal do Brasil. Pela Lei nº 6 802, de 30 de junho de 1980, o governo brasileiro decretou oficialmente feriado nacional o dia 12 de outubro, dedicando-se este dia à devoção de Nossa Senhora Aparecida. Também nesta lei, a República Federativa do Brasil reconhece oficialmente Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil. O Papa Francisco chamou Maria de “Mãe do Evangelho vivente” na Exortação Apostólica “Evangelii Gaudium” (A Alegria do Evangelho), que publicou em 2013. A Igreja também instituiu outubro como mês das Missões. É, por isso, que o Papa Francisco escreveu nessa sua Exortação que “Juntamente com o Espírito Santo, sempre está Maria no meio do povo. Ela reunia os discípulos para invocá-Lo (At 1,124), e assim tornou possível a explosão missionária que se deu no Pentecostes. Ela é a Mãe da Igreja evangelizadora e, sem Ela, não podemos compreender cabalmente o espírito da nova evangelização” (nº 284). Como palavras finais do documento, o Papa invocou Maria, dizendo: “Mãe do Evangelho vivente, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós. Amém. Aleluia”!

No trecho evangélico da santa Missa de hoje, São Mateus narra que Jesus voltou a falar em parábolas aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo – Mt 22, 1-14. O reino dos céus, segundo disse Jesus, é como a história de um rei que preparou a festa de casamento do seu filho. E o rei mandou seus empregados para chamar os convidados para a festa, mas eles não quiseram comparecer. O rei mandou outros empregados para que insistissem no convite, explicando aos convidados que o banquete estava pronto, com os bois e os animais cevados já abatidos e preparados. Mandava dizer-lhes: “Vinde à festa!”. Mas, os convidados não deram a mínima atenção: um foi à sua casa de campo, outro para os seus negócios, outros agarraram os empregados, bateram neles e os mataram. Indignado, o rei mandou suas tropas para matar aqueles assassinos e incendiar a cidade deles. Em seguida, o rei disse aos empregados: “A festa de casamento está pronta, mas os convidados não foram dignos dela. Por isso, ide até às encruzilhadas e convidai os que encontrardes”. Saindo pelas estradas, encontraram muita gente e reuniram a todos os que foram encontrando, maus e bons. A sala da festa, então, ficou cheia de convidados. O rei, vendo os convidados, observou que um homem não estava com o traje de festa. Perguntou-lhe, dizendo: “Amigo, como entraste aqui sem o traje de festa”? Mas o homem nada respondeu. Então, o rei ordenou aos que serviam na festa para que amarrassem os pés e as mãos desse homem e o jogassem para fora, na escuridão, onde há choro e ranger de dentes. E o rei concluiu, dizendo que assim fazia porque muitos são chamados e poucos são escolhidos.

Na linha do ensinamento de Jesus, mais um vez fica evidente que o rei é o Pai do céu que prepara a festa nupcial do seu Filho e convida em primeiro lugar os filhos da aliança, o seu povo escolhido, a sua Igreja. A história se repete, muitos destes filhos, para não se dizer que em certas situações históricas todos, rejeitaram o convite, alegando mil e uma desculpas. Então, o Pai envia os seus mensageiros, profetas e evangelizadores, a convidar pagãos, cobradores de impostos, prostitutas, e estes acabam reconhecendo seus erros e, aspirando à purificação, se convertem e dessa forma revestidos com a veste da graça do perdão invocado e recebido, respondem positivamente ao chamado de Deus. Por várias vezes, Jesus disse estas palavras, que as conhecemos bem: “Os primeiros acabam ficando fora ou por último e os últimos acabam se tornando os primeiros”. Ou ainda: “Cuidem-se que os gentios, os cobradores de impostos e as prostitutas não acabem entrando por primeiro, antes de vós, no reino dos céus”. Nesta parábola, mas com o mesmo sentido, Jesus usa estas expressões: “Muitos são chamados, mas poucos são escolhidos”. Os escolhidos são os que acolhem o convite do Pai; se pecadores e maus, não importa, desde que, convertendo-se, se vistam com o traje do perdão recebido e do compromisso com a justiça do reino.

O Pai do céu, que preparou um banquete nupcial para o seu Filho amado, abriu essa festa para todos, convidando inclusive a todos, muitos, porém, recusando o convite, de dignos tornaram-se indignos, outros, de indignos tornaram-se dignos, vestindo o traje da festa, com exceção daquele que, indignamente, isto é, sem o traje da conversão e do comprometimento com o reino, foi posto para fora, como um réprobo.

A Sagrada Eucaristia é o banquete que a Igreja oferece permanentemente a todos, em memória das núpcias do Filho de Deus com a humanidade, da sua Páscoa consumada na cruz por seu grande amor por todos. A única condição é aceitar o convite e se apresentar vestindo o traje de festa, este sinal exterior do compromisso interior com a causa do Reino de Deus, sua justiça e amor.

Tags:

leia também