Águas agitadas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba

 

Os ventos fortes, em alto mar, causam vários tipos de agitação nas águas e a formação de grandes ondas. Isso provoca medo nos navegadores inexperientes, podendo até perder a vida como às vezes acontece. Com os apóstolos de Jesus navegando pelo mar da Galileia não foi diferente, mas diante do perigo e do medo apelam para o Mestre, que os acode e lhes dá segurança.

Estamos em tempos agitados, com ventos vindos de todos os lados. Interessante que todas as classes sociais estão sentindo o peso da insegurança, do vendaval da instabilidade, corroborado agora com a agressividade do coronavírus. Ninguém pode dizer que está totalmente imunizado e seguro de não ser infectado. É o vento que veio para dizer que há uma igualdade fundamental entre as pessoas.

No meio da tempestade em alto mar, a palavra de Jesus para os transeuntes foi: “coragem”, mas também acalmou a fúria das águas agitadas. O momento não é de perda de coragem só porque enfrentamos dificuldades. Mas também é necessário abrir os olhos para a confiança naquele que é capaz de acalmar as águas. Não basta confiar em nós mesmos, mas pedir a proteção divina.

Podemos dizer que o medo é o contrário da fé. Quanto mais a pessoa achar que Deus é um fantasma (Mt 14,26), muito mais insegurança terá e poderá perder o sentido da vida. Qualquer água agitada, por mais raso que seja o local, é capaz de levá-la para o fundo e morrer. A agitação descontrolada pode não ter a presença de Deus, porque Ele é o Deus da serenidade e da responsabilidade.

Os últimos anos têm sido muito agitados nas redes sociais, porque as pessoas dizem o que querem, sem filtro nenhum. Não somente dizem como também divulgam notícias construídas sem responsabilidade, nivelando por baixo o grau de confiança nessas redes de comunicação. São águas bem agitadas que causam muitos prejuízos para a harmonia da sociedade e desrespeito às pessoas.

Necessitamos de ventos novos para conduzir a humanidade. No momento, a chegada da vacina de combate ao vírus da covid-19 poderá trazer novos rumos para os povos. Mas outros ventos também são urgentes para superar as brigas ideológicas que dificultam um caminho de fraternidade e partilha entre as pessoas. A briga pelo poder e o ter faz muita gente sofrer e perder a esperança no país.

 

Tags:

leia também