A missão do Cristão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Dom Adilson Pedro Busin,
Bispo auxiliar de Porto Alegre

 

A missão é da essência do ser cristão. Abraçar a fé em Jesus Cristo é conceber a vida como caminho de duplo sentido. Receber para dar. Na encíclica Lumen Fidei encontramos a expressão de que amor gera a fé e a fé sustenta o amor. Do mesmo modo que existe a “luz da fé”, somos colocados também diante da “luz do amor” (LF 34). Recebemos o batismo e ao mesmo tempo, na graça recebida, está o germe e a gene da missão. O dom da fé é por essência dom de partilha. Missão é também graça, dom que se reparte. Na luz da fé anunciamos a alegria do evangelho.

O mês de outubro recorda-nos a missão. A Igreja é missionária. Cristão é missionário. Quando Jesus diz “ide”, já coloca os discípulos seus em movimento. A fé não é para ser guardada. É tesouro para ser partilhado, multiplicado, anunciado. Ser discípulo é ser missionário. Não se pode ficar parado. Jesus envia. Quer os discípulos no caminho. O papa Francisco tantas vezes nos repete que quer uma ‘igreja em saída’. Missão é desinstalar-se. É sair e ir ao encontro. Não é uma saída sem rumo e sem conteúdo. O conteúdo é Ele, Jesus, como a expressão do amor do Pai. Sair animados e santificados pelo Espírito Santo. Assim foram os apóstolos. Saíram para além das fronteiras de Jerusalém e da Galileia. É preciso partir e pôr-se no caminho. Sem medo. Com a certeza que Ele estará conosco até o fim dos tempos.

A ‘Igreja em saída’, sonho de Francisco, respalda-se em outra palavra chave, tão cara ao nosso papa: a cultura do encontro. Sair para encontrar. Ir ao encontro das nações, dos povos novos para tornar conhecido o evangelho. Ter consciência de ser missionário, portador de um dom, e encontrar o outro para levar a boa nova. Não obstante haja a tentação de impor algo ou uma doutrina, a missão é anunciar o evangelho. Fazer discípulos é convidar e colocar as pessoas num caminho.  Missão é atitude de abertura. Encontrar e anunciar a boa nova. Isto exige da Igreja e de cada cristão uma atitude contínua de discípulo. Disposto e sempre capaz de aprender com o Mestre.

Sair e ir ao encontro significa, em nossos dias, assumir as mesmas atitudes dos apóstolos ao serem enviados por Jesus. Missão é partir sem medo, livres, despojados dos bens e de si mesmos, certos de que não faltarão dificuldades e perseguições. Mas ancorados na certeza de que o próprio Senhor acompanha a quem Ele envia. Longe, no além-mar ou perto, em nossos bairros ou centros urbanos, há campos de missão. Há periferias físicas e existenciais das pessoas que precisam da boa nova. ‘A messe é grande’ esperando cristãos ‘em saída’ dispostos a anunciar. Crianças, jovens, idosos, homens e mulheres de nosso tempo e de nossas cidades são as multidões de hoje que esperam de nós cristãos o testemunho de fé e palavras que apontem esperança e alegria. Atitude de encontro e palavras de proximidade. Francisco nos diz na Evangeli Gaudium: “Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças”. Neste mês missionário colhemos a oportunidade para renovar o ardor missionário que brota de nosso batismo. O ‘ide e anunciai’ que Jesus dirigiu aos apóstolos, se dirige e se renova a nós, Igreja missionária. Boa missão a todos.

Tags:

leia também